viernes, octubre 28, 2022

Claudia Roquette-Pinto / Ecce Mulier




Yo no paso de una bóveda repleta
de manchas de infiltración
en el techo de un viejo templo, yo no
paso de una ex-belle-of-the-ball
con problemas de articulación
en las sienes, en el tiempo,
y pernos de metal para sostener los dientes
– un pedazo decadente de auto ironía
cercada de juventud por todos lados.
Yo no paso de una masa flácida
que se derrite cada día, 
escurriéndose cuerpo abajo
pero no se tranquiliza su ardor
y mira con ojo envidioso
un mundo de carnes duras
y células lindas, vivas, 
centelleantes
que se renuevan vertiginosamente
tipo arrebato 
mientras, en lo íntimo, invento
mil enredos donde me enredo 
(una inocente de Joá)
– y después, para desenredar, lleva una vida.
Yo no paso de una tímida-metida, 
una voyeuse (“Will you ever get me?”)
la que siempre se mete
en embrollos, 
tan melancólica como Chet *
pues “Everything happens to me”
– pero dueña de una alegría que resbala 
hasta el delirio,
casi una samba de avión. 
Yo no paso de una buena pieza, 
una absurda,
patinando mil veces en la curva
(y, vuelta a vuelta, aun vuelco)
por los ojos de un moreno.
Moradora de los reflejos,
un sexo equivocado, un león
de la Metro, yo no 
paso de un trazo estadístico, 
de un mísero insecto
aleteando sobre basura,
en la quebrada,
no paso de una bóveda
una peste 
una bóveda celeste
en vías de desintegrarse.

* Chet Baker

Claudia Roquette-Pinto (Río de Janeiro, Brasil 1963), Tejer y destejer, 7 poetas contemporáneas del Brasil *, selección y traducción de Agustina Roca, Bajo la Luna, Buenos Aires, 2020

* La antología la integran poemas de Ana Martins Marques, Annita Costa Malufe, Claudia Roquette-Pinto, Izabela Leal, Josely Vianna Baptista, Lu Menezes y Simone Brantes [N. del Ad.]




Ecce Mulier

Eu não passo de uma abóbada repleta
de manchas de infiltração
no teto de um velho templo, eu não
passo de uma ex-belle-of-the-ball
com problemas de articulação
nas têmporas, no tempo,
e uns pinos de metal pra segurar os dentes
– um pedaço decadente de auto-ironia
cercado de juventude por todos os lados.
Eu não passo de uma massa flácida
que a cada dia derrete,
escorrendo corpo abaixo
mas que não sossega o facho
e olha de olho comprido
para um mundo de carnes duras
e células lindas, vivas,
cintilantes
a renover-se vertiginosamente
feito um arrebol
enquanto, no íntimo, invento
mil enredos onde me enredo
(uma inocente do Joá)
– e depois, pra desenrolar, leva uma vida.
Eu não passo de uma tímida-metida,
uma voyeuse (“Will you ever get me?”) 
a que sempre se mete
em embrulhadas,
tão melancólica quanto Chet
pois “Everything happens to me”
– mas dona de uma alegria que descamba
pro delírio,
quase um samba do avião.
Eu não passo de uma boa bisca,
uma absurda,
derrapando mil vezes na curva
(e, volta e meia, ainda capoto)
pelos olhos de um moreno.
Moradora dos reflexos,
um sexo equívoco, um leão
da Metro, eu não
passo de um traço estatístico,
de um mísero inseto
voejando sobre o lixo,
na quebrada,
não passo de uma abobada
uma peste
uma abóbada celeste
em vias de desintegrar.

No hay comentarios.: